Loja Virtual

Loja Virtual
Loja Virtual

Cristais

Cristais
Cristais

Produtos Vendidos

Produtos Vendidos
Produtos

Buda de Madeira


Buda de Madeira | Oito Anjos Artigos Religiosos e Loja Esotérica




A vida de Buda






De acordo com a narrativa convencional, o Buda nasceu em Lumbini (hoje, patrimônio mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) por volta do ano 536 a. C. e cresceu em Capilvasto: ambos, atuais localidades nepalesas. Logo após o nascimento de Siddhartha, um astrólogo visitou o pai do jovem príncipe, Suddhodana, e profetizou que Siddhartha iria se tornar um grande rei e que renunciaria ao mundo material para se tornar um homem santo, se ele, por ventura, visse a vida fora das paredes do palácio.



O rei Suddhodana estava determinado a ver o seu filho se tornar um rei, impedindo, assim, que ele saísse do palácio. Mas, aos 29 anos, apesar dos esforços de seu pai, Siddhartha se aventurou por além do palácio diversas vezes. Em uma série de encontros (em locais conhecidos pela cultura budista como "quatro pontos"), ele soube do sofrimento das pessoas comuns, encontrando um homem velho, um outro doente, um cadáver e, finalmente, um ascético sadhu, aparentemente contente e em paz com o mundo. Essas experiências levaram Gautama, eventualmente, a abandonar a vida material e ir em busca de uma vida espiritual.


Siddhartha Gautama fez uma primeira tentativa, experimentando a ascese e quase morreu de fome ao longo do processo. Mas, depois de aceitar leite e arroz de uma menina da vila, ele mudou sua abordagem. Concluiu que as práticas ascéticas extremas, como o jejum prolongado, respiração sem pressa e a exposição à dor trouxeram poucos benefícios, espiritualmente falando. Deduziu, então, que as práticas eram prejudiciais aos praticantes. Ele abandonou o ascetismo, concentrando-se na meditação anapanasati, através da qual descobriu o que hoje os budistas chamam de "caminho do meio": um caminho que não passa pela luxúria e pelos prazeres sensuais, mas que também não passa pelas práticas de mortificação do corpo.


Quando tinha 35 anos de idade, Siddhartha sentou-se embaixo de uma figueira-dos-pagodes (Ficus religiosa) hoje conhecida como árvore de Bodhi, localizada em Bodh Gaya, na Índia e prometeu não sair dali até conseguir atingir a iluminação espiritual.


A lenda diz que Siddhartha conheceu a dúvida sobre o sucesso de seus objetivos ao ser confrontado por um demônio chamado Mara, que simboliza o mundo das aparências e muitas vezes é representado por uma cobra naja. Ainda segundo a lenda, Mara teria oferecido o nirvana a Sidarta, contudo ele teria percebido que isso o levaria a se distanciar do mundo e o impediria de transmitir seus ensinamentos adiante. Assim, por volta dos quarenta anos, Sidarta se transformou no Buda, o Iluminado, atraindo um grupo de seguidores e instituiu uma ordem monástica. A partir de então, passaria seus dias ensinando o darma, viajando por toda a parte nordeste do subcontinente indiano. Ele sempre enfatizou que não era um deus e que a capacidade de se tornar um buda pertencia ao ser humano. Faleceu aos oitenta anos de idade, em 483 a. C., em Kushinagar, na Índia.


Os estudiosos se contradizem em relação às afirmações sobre a história e os fatos da vida de Buda. A maioria aceita que ele viveu, ensinou e fundou uma ordem monástica, mas não aceita de forma consistente os detalhes de sua biografia. Segundo o escritor Michael Carrithers, em seu livro O Buda, o esboço de uma vida tem que ser verdadeiro: o nascimento, a maturidade, a renúncia, a busca, o despertar e a libertação, o ensino e a morte.


Ao escrever uma biografia sobre Buda, Karen Armstrong disse: "É obviamente difícil, portanto, escrever uma biografia de Buda, atendendo aos critérios modernos, porque temos muito pouca informação que pode ser considerada 'histórica'... mas podemos estar razoavelmente confiantes, pois Siddhartta Gautama realmente existiu e os seus discípulos preservam a sua memória, sua vida e seus ensinamentos".



Iluminação



De acordo com os textos mais antigos, após ter alcançado o estado meditativo de jhana, Gautama estava no caminho certo para a iluminação. Mas o seu ascetismo extremo não funcionou e Gautama descobriu o que os Budistas chamaram de o Caminho do Meio, o caminho para a moderação, afastado dos extremismos da autoindulgência e da automortificação. Em um famoso incidente, depois ter ficado extremamente fraco devido à fome, é dito que ele aceitou leite e pudim de arroz de uma garota chamada Sujata. Tal era a aparência pálida de Sidarta, que Sujata teria acreditado, erroneamente, que ele seria um espírito que lhe realizaria um desejo.


Seguindo este incidente, Gautama sentou-se sob uma árvore (segundo a tradição budista, a árvore era uma Ficus religiosa), conhecida agora como a Árvore de Bodhi, em Bodh Gaya e jurou nunca mais se levantar enquanto não tivesse encontrado a verdade. Kaundinya e outros quatro companheiros, acreditando que ele tinha abandonado a sua busca e se tornado um indisciplinado, o deixaram para trás. Após 49 dias de meditação e com a idade de 35 anos, é dito que Gautama alcançou a iluminação espiritual.Segundo algumas tradições, isto ocorreu em aproximadamente quinze meses lunares, enquanto que, de acordo com outras tradições, o fato ocorreu em doze meses. Desde este tempo, Gautama ficou conhecido por seus seguidores como o Buda, termo derivado do páli buddha, que significa "desperto, iluminado, o que compreendeu, o que sabe". Ele é frequentemente referido dentro do budismo como o Shakyamuni Buda, ou "O Iluminado da tribo dos Shakya". Outro termo pelo qual Sidarta se tornou conhecido pelos seus contemporâneos foi Sugato, termo páli que, traduzido, significa "Feliz".


De acordo com o budismo, durante a sua iluminação, Sidarta compreendeu as causas do sofrimento e os caminhos necessários para eliminá-lo. Estas descobertas tornaram-se conhecidas como as Quatro Nobres Verdades, que são o coração dos ensinamentos budistas. Com a realização dessas verdades, um estado de suprema liberação, ou nirvana, é acreditado ser possível ao alcance de qualquer ser. O Buda descreve o nirvana como um estado perfeito de paz mental livre de toda ignorância, inveja, orgulho, ódio e outros estados aflitivos. Nirvana é também conhecido como o fim do ciclo samsárico, em que nenhuma identidade pessoal ou limites da mente permanecem.


Segundo a história do Āyācana Sutta (Samyutta Nikaya VI.1) - uma escritura, escrita em páli - e outros canônes, imediatamente após a sua iluminação, o Buda debateu se deveria ou não ensinar o darma aos outros. Ele estava preocupado que os humanos, tão fortemente influenciados pela ignorância, inveja e ódio, poderiam nunca reconhecer o caminho, que é profundo e difícil de ser compreendido. No entanto, segundo o mito, Brahmā Sahampati tê-lo-ia convencido a ensinar a doutrina, argumentando que pelo menos alguns iriam entendê-lo. O Buda, após isso, concordou em ensinar o darma.


Pregação



Após ter criado sua doutrina, Sidarta percorreu o país pelos 45 anos seguintes, difundindo-a.


Morte



Sidarta morreu aos oitenta anos de idade, na cidade de Kushinagar, no atual estado de Uttar Pradesh, na Índia. Seu corpo foi cremado por seus amigos, sob a orientação de Ananda, seu discípulo favorito. As cinzas foram repartidas entre vários governantes, para serem veneradas como relíquias sagradas.



Diferença entre Buda Hotei ( Buda Gordinho) e Buda Siddhartha ( Buda Magro)


Diferença : Buda Gordinho x Buda Magro


Buda Siddhartha 




Buda de Madeira | Oito Anjos Artigos Religiosos e Loja EsotéricaO Buda (o iluminado, em sânscrito) foi Siddhartha Gautama, nascido na região do Himalaia (Índia). Viveu por volta de 563 a.C a 483 a.C. e foi o mestre religioso e fundador do Budismo no século VI. 

Era integrante de uma rica família da região e teve uma vida repleta de luxo e segurança até os 29 anos de idade. Sua família não permitia que ele entrasse em contato com a vida fora do palácio e, portanto, Siddhartha desconhecia a miséria. 


Porém, quando entrou em contato com a pobreza de grande parte da população e com o sofrimento humano, resolveu mudar radicalmente sua vida. Saiu do palácio, deixando esposa e família, e passou a buscar explicações e soluções para o sofrimento humano. 


Decepcionado, afastou-se de todos e sozinho, em profundo estado meditativo começou a meditar até alcançar a iluminação durante uma meditação sob a árvore Bodhi, quando mudou seu nome para Buda, que quer dizer "iluminado". 

A partir deste momento, passou a divulgar seus ensinamentos. O princípio básico do budismo é a busca pela anulação dos desejos materiais como meio de terminar com o sofrimento. Para tanto, é necessário o desenvolvimento de ações e pensamentos corretos (positivos). 


As representações do Buda contém certas marcas que simbolizam sua Iluminação. 


• Face serena (simbolizando o alcance da plenitude) 


• Uma protuberância no topo da cabeça simbolizam uma grande acuidade mental 


• Longos lóbulos auriculares simbolizam uma grande percepção 


• Pode ser representado em pé, caminhando, em posição de lótus ou reclinado 


Os Mudras são gestos com as mãos ou sinais utilizados no budismo como grandes ferramentos para expressar o que se tem na mente para outras pessoas. 




Buda Hotei 



O Buda Hotei é um dos sete deuses de boa sorte do Xintoísmo e da mitologia e folclore japoneses. 

Buda Feliz - Modelo2Hotei é conhecido pelos ocidentais como o "Buda gordo" que, na verdade, é a representação de um monge chinês frequentemente encontrado em templos, restaurantes e amuletos que, no folclore da China, acabou sendo associado a Maitreya. No Japão, ele geralmente é representado com o manto caindo pelos ombros e com uma enorme barriga que simboliza a satisfação, pois nesta região está o Hara, que é onde reside o coração e a personalidade, portanto seu vasto "hara", representa grandiosidade de espírito. 

Sendo assim, Hotei revela sua grandiosidade de espírito e por isso é o senhor da generosidade humana. Ele vive sempre de bom humor, rindo, e por isso mesmo, traz saúde e felicidade, pois está sempre satisfeito com o que tem. Dizem que Hotei tem recurso interior para todos que queiram atingir a serenidade completa e sabedoria búdica. Um lindo e significativo presente para todos. 


É o senhor da magnanimidade, da generosidade humana. Vive rindo, sempre de bom humor, e por isso mesmo, traz saúde e felicidade, pois está sempre satisfeito com o que tem. Dizem que Hotei tem recurso interior para todos que queiram atingir a serenidade completa e sabedoria búdica. Geralmente é representado com uma enorme barriga e roupa caindo pelos ombros. Seu abdômen avantajado não simboliza a gula, pelo contrário, é símbolo da satisfação. 





Imagem Buda | Oito Anjos Artigos Religiosos e Loja EsotéricaImagem Buda | Oito Anjos Artigos Religiosos e Loja Esotérica



Imagens de madeira disponíveis em nosso comércio 

( Oito Anjos Comércio de Velas e Artigos Religiosos: Rua Ipiranga, 381 - Centro - Mairiporã/SP - oitoanjosreligiosos@gmail.com)

Nenhum comentário