Loja Virtual

Loja Virtual
Loja Virtual

Cristais

Cristais
Cristais

Produtos Vendidos

Produtos Vendidos
Produtos

As Tradições do Halloween

Abóbora lanterna | Oito Anjos Artigos Religiosos e Loja Esotérica


Origem da palavra halloween


Em meados de 43 E.C. (Era Comum), os romanos invadiram muitos países celtas, iniciando seu reinado que durou mais de 400 anos.Durante este tempo, muitas celebrações religiosas romanas foram assimiladas pelos europeus. Reflexos das festividades romanas podem ser identificados até hoje no moderno Halloween e em sua contraparte Wiccaniana, o Samhain. Feralia, o dia em honra aos mortos, realizado no final de outubro e o festival de celebração a Deusa Pomona, a Deusa das maçãs, são apenas alguns destes festivais. No século VII, o Papa Bonifácio instituiu o dia 1º de novembro como o dia de todos os santos e mártires para substituir o culto aos mortos dos celtas e esta celebração recebeu o nome de All Hallows, expressão originária do inglês arcaico que significa algo como "dia de todos os santos". A véspera do dia de todos santos era chamada de All Hallows Eve, que acabou originando a expressão Halloween. Em meados do ano 1000, a Igreja tentou uma vez mais neutralizar as festividades celtas em honra aos ancestrais e nomeou o dia 2 de novembro como dia de finados e, no início, a celebração desta data era muito parecida com o tradicional Samhain, com fogueiras e procissões.

 Como a celebração de halloween chegou ao novo mundo?




Quando a América foi povoada, os imigrantes europeus trouxeram muito de suas celebrações e assim surge uma nova versão do Halloween baseada em diversas tradições e etnias. Documentos contam que as primeiras celebrações consistiam apenas em reuniões de comemoração das colheitas, onde os feitos dos antepassados eram contados ao redor da fogueira. Não demorou muito para estas histórias se modificarem e, com o passar do tempo, contos de fantasmas, vampiros e seres do mal também começaram a ser contados em volta da fogueira, dando ao Halloween a cara tenebrosa que perdura até os tempos atuais e que está longe de suas origens célticas.


No século XVIII, chega à América uma grande quantidade de imigrantes, composta de uma grande maioria de irlandeses, que ajudaram a popularizar o Halloween, onde é hoje os Estados Unidos, e em pouco tempo a tradição cresceu e a festividade passou a incluir jogos, fantasias e pratos típicos da época.


As tradições do halloween


Samhain (pronuncia-se Sou-ein), festejado em 31 de outubro no hemisfério norte e em 1 de maio no hemisfério sul, é o ano novo dos Bruxos. Este dia sagrado é conhecido por inúmeros nomes. Para muitos, talvez, o mais conhecido seja Halloween. Para os Bruxos, é uma data sagrada, um Sabbat onde honram os ancestrais e aqueles que já tenham partido para o País de Verão.

Essa é à noite onde o véu que separa o mundo material do mundo espiritual encontra-se mais fino e o contato com nossos ancestrais torna-se mais fácil. É também o momento tradicional para celebrar a última das colheitas e se preparar para o inverno, e o poder de magia pode ser sentido no ar. O Outro Mundo se coaduna com o nosso conforme a luz do Sol baixa e o crepúsculo chega. Os espíritos daqueles que já partiram para o outro plano são mais acessíveis durante a noite de Samhain.

Samhain ocorre no pico do outono. É o tempo do ano quando o frio cresce e a morte vaga pela Terra. O Sol está enfraquecendo cada vez mais rapidamente, a sombra cresce e as folhas das árvores estão caindo, numa preparação ao inverno que chegará. Esta é a última colheita, o tempo em que os antigos povos da Europa sacrificavam seus gados e preservavam sua carne para o inverno, pois estes animais não podiam sobreviver em grande escala neste período do ano devido ao frio vindouro. Só uma pequena parte, os mais viris e fortes, era mantida para o ano seguinte.


Samhain é a noite quando o Velho Rei morre e a Deusa Anciã lamenta sua ausência nas próximas seis semanas. O Sol está em seu ponto mais baixo no horizonte de acordo com as medições feitas através das antigas pedras da Britânia e Irlanda, a razão pela qual os Celtas escolheram este Sabbat, ao invés de Yule, para representar o Ano Novo.


Para os Antigos Celtas, este dia sagrado dividia o ano em duas estações, Inverno e Verão. Samhain é o dia no qual o ano novo celta e o inverno começavam juntos, por isso era um tempo ideal para términos e começos. Era o dia ideal para honrar os mortos, pois é o dia onde os véus que separam os mundos estão mais finos. Aqueles que morreram no ano passado e aqueles que estão reencarnando passam através dos véus e portais neste dia. Os Portões das Sidhe estão abertos e nele nem humanos nem fadas precisam de senhas para entrar e sair.


Em Samhain, o Deus finalmente morre, mas sua alma vive na criança não nascida, é a centelha de vida no ventre da Deusa. Isto simbolizaa morte das plantas e a hibernação dos animais, o Deus torna-se então o Senhor da Morte e das Sombras.


Samhain é um festival do fogo e é a entrada para a parte sombria e fria da Roda do ano. É em Samhain que as fogueiras são acesas para que os espíritos do outro mundo possam encontrar os caminhos para partirem ao Outro Mundo (País de Verão). Samhain é o tempo de lembrarmos com amor aqueles que partiram para o outro lado, por isso é chamada de a Festa Ancestral. Toda a família ou grupo se reúne para reverenciar os que já partiram. É muito comum neste Sabbat se realizar uma ceia em silêncio conectando-se com aqueles que já cruzaram os portais dos mundos. É tradicional também, deixar um lugar à mesa para os ancestrais e lhe servir os pratos como se eles estivessem presentes na ceia.Para aqueles que não têm família para festejarem e celebrarem seus ancestrais, alimentos geralmente são deixados do lado de fora de casa, na porta de entrada em homenagem aos familiares e amigos desencarnados.

É também tradicional deixar uma vela acesa na janela da casa para ajudar a guiar os espíritos ao longo de sua caminhada ao nosso mundo, para que possam encontrar o caminho de volta. De acordo com os antigos celtas, havia apenas duas divisões do ano que ia de Beltane a Samhain (verão) e de Samhain a Beltane (inverno). Samhain é um dos quatro grandes Sabbats e muitas vezes é considerado o Grande Sabbat.


Por ser o maior de todos e o mais importante também, todos os Pagãos consideram Samhain como a noite mais mágica do ano. Muitas práticas adivinhatórias foram associadas a Samhain, as mais comuns eram aquelas que prenunciavam casamentos e fortunas para o próximo ano que estava se iniciando. Uma das tradições mais comuns praticadas pelos povos antigos era a de colocar várias maçãs em um grande barril com água. Várias mulheres se reuniam em volta do barril e a primeira que conseguisse pegar uma das maçãs seria a primeira a casar no próximo ano.
Na Escócia, colocavam-se pedras entre as cinzas da lareira e deixava-se descansar durante a noite. Se alguma pedra fosse descoberta, durante a noite, representaria a morte iminente durante o próximo ano de um dos moradores da residência.
Sem sombra de dúvida o item mais famoso do Samhain é o Jack O'Lantern (máscaras de abóboras), que sobrevive até hoje nas modernas celebrações do Halloween. Vários historiadores atribuem suas origens aos escoceses, enquanto outros lhe conferem origem Irlandesa. Ele era utilizado por pessoas que precisavam sair durante a noite de Samhain.

As sombras provocadas pela face esculpida na abóbora tinham a virtude de afastar os maus espíritos e todos os seres do outro mundo que vinham para perturbar. Máscaras de abóboras também eram colocadas nos batentes das janelas e em frente da porta de entrada para proteger toda a casa.


O costume norte-americano de vestir-se com trajes típicos e sair pelas casas dizendo "Trick or treating" (“doce ou travessura” ou “gostosuras ou travessuras”), nas noites de Halloween, é de origem céltica. Nos tempos antigos, o costume não era relegado às crianças, mas à adultos. Em tempos ancestrais, os vagantes iam cantando cânticos da época de casa em casa e eram sendo presenteados com agrados pelos seus habitantes. O "Treat" (presentes), também era requerido pelos espíritos ancestrais nesta noite através de oferendas. O Deus neste período é identificado com os animais que eram sacrificados para continuidade da vida. Samhain é um tempo para a reflexão, onde olhamos para o ano mágico que passou e estabelecemos as metas para nossa vida no ano que entra.

 Jack O’Lantern


Um dos costumes mais tradicionais da noite de Halloween é esculpir uma abóbora na forma de rosto e colocar uma vela em seu interior. Estas abóboras são chamadas de Jack O'Lantern e são um hábito muito antigo. Uma lenda irlandesa do século XVIII afirma que este costume baseia-se na lenda de um homem chamado Jack, a quem foi negado a entrada no céu, por sua maldade, e no inferno, por pregar peças no diabo. A lenda conta que Jack ficou condenado a perambular pela terra como espírito até o dia do juízo final.

Por isso, ele colocou uma brasa brilhante num grande nabo oco, para iluminar o caminho através da noite. Esta lenda, no entanto, é uma versão cristã da verdadeira história que relata o encontro de um homem chamado Jack com a Deusa da Morte, que está longe de ligar o personagem ao céu ou ao inferno. Provavelmente a lenda irlandesa é mais uma das inúmeras tentativas de denegrir a imagem da Bruxaria, seus mitos, crenças e costumes tradicionais. Bruxos praticam uma religião pré-cristã. Sendo assim, não acreditam em coisas como diabo ou inferno. A Bruxaria é uma religião benigna, centrada na figura da Deusa Mãe que segue apenas uma única diretriz: “Faça o que quiser, desde que não prejudique a nada nem a ninguém”. Por isso, quando ouvir alguém afirmar que Bruxos praticam o mal, saiba que isto não é verdade e é fruto de uma campanha difamatória iniciada nos tempos da Inquisição e que perdura até os tempos atuais sustentada por heréticos. Conheça a verdadeira história de Jack O'Lantern, baseada nas mais puras tradições da Religião da Deusa:

 A verdadeira história de Jack O'Lantern


Há muito tempo, em uma terra muito distante, viveu um homem chamado Jack. Jack era um homem bonito, saudável e forte. Ele tinha muitos amigos. Era o homem perfeito, com o qual qualquer mulher gostaria de se casar. Enquanto lutava contra uma tribo inimiga ele teve uma visão. Nesta visão estava uma linda mulher, guiando uma carruagem, com uma lança em suas mãos e um corvo em seus ombros. Quando a carruagem se aproximou, a mulher disse a Jack: "Venha comigo, pois eu o amo e desejo tê-lo ao meu lado por toda vida". Mas Jack estava com medo, pois ele sabia quem era aquela mulher: "Eu não desejo ir com você. Eu sei que você é a Deusa da Morte, a caçadora das almas, e eu não estou pronto para morrer". Os olhos da Deusa brilhavam. Com orgulho e cólera, ela girou a sua carruagem e partiu. Jack voltou sua atenção novamente para a batalha e repentinamente um guerreiro inimigo golpeou suaface com uma grande espada. Jack não morreu, mas sua face estavapara sempre arruinada e seguramente a mulher dos seus sonhos jamais voltaria a olhá-lo com um rosto tão feio como aquele.

O tempo passou e Jack aprendeu a tocar harpa e se tornou conhecido por suas lindas melodias. Em um dia, quando Jack viajava para apresentar suas canções, ele novamente teve uma visão com a Deusa da Morte que se aproximou e disse: "Não prossiga com sua viagem, Jack. Venha comigo ao meu reino, pois eu te amo e desejo tê-lo ao meu lado para sempre". Mais uma vez Jack recusou o convite da Deusa. E Ela partiu. Jack continuou sua viagem e pouco tempo depois sua carroça tombou. Ele ficou gravemente ferido e perdeu um dos seus braços.


O tempo passou. Jack jamais seria um guerreiro novamente ou um harpita, mas ainda tinha o amor de sua família. Mas todos envelheceram com os anos e a nova geração não se importava mais com ele. Um dia, quando Jack atravessava um pequeno rio, em um vau, ele viu novamente a figura da Deusa da Morte com uma vela em suas mãos. Ela uma vez mais ofereceu seu amor desejando que ele fosse viver ao seu lado para sempre.


Jack novamente com medo recusou a oferta. E a Deusa disse a Jack: "Você é um tolo. Três vezes eu lheofereci o meu amor e você me renegou. Agora quem o rejeita sou eu! Nunca mais eu o chamarei e você viverá quanto tempo esta vela durar".

Ela depositou a vela aos pés de Jack e foi embora. Jack ficou com muito medo, pois a vela era pequena e logo se consumiria por inteiro e ele morreria em minutos. Mas os minutos passaram e a vela não se consumia. Jack ficou aliviado e guardou cuidadosamente a chama da vela, retornando para casa.



O tempo passou, ano após ano. Todos que Jack conheceu quando criança morreram. Ninguém sabia quem ele realmente era e com o passar dos anos ele passou a ser tratado como um louco. Conforme o tempo passava ele ficava mais velho, fraco e foi perdendo aos poucos sua memória. A única coisa que ele lembrava era que tinha que guardar a chama de sua vela para não morrer. Sua casa estava caindo aos pedaços, seus campos não era mais cultivados e tudo o que crescia ao seu redor eram apenas abóboras, que tinham sidoplantadas pelos seus vizinhos em um gesto de bondade para o velho não morrer de fome. Um dia um raio caiu em sua casae ela incendiou. Jack pegou umadas abóboras de sua casa e transformou em uma lanterna, colocando sua vela dentro dela para protegê-la da chuva.


Ele deixou seu vilarejo e começou uma incessante busca pelos amigos e familiares que já tinham partido, e levou sua lanterna para iluminar o seu caminho. Ele ficou velho, tão velho que até seu corpo desapareceu. O que restou foi apena o seu espírito que não pode ingressar no outro mundo por causa de seu fatídico destino.


É por isso que lanternas de abóboras são chamadas de Jack O'Lantern (Jack Lanterna) e acendemos velas dentro delas na noite de Samhain para iluminar os caminhos de todos os espíritos perdidos que desejam entrar noOutro Mundo para não terem o mesmo fim que Jack.

Jornal O legado – São Paulo- Capital – Edição N° 118 – Outubro de 2012 – Ano 10 – Exemplar gratuito. Texto colaboração de Claudiney Prieto autor do livro Wicca - A Religião da Deusa -(Editora Alfabeto) e comunicador da rádio Mundial.

Nenhum comentário